domingo, 27 de janeiro de 2013

“Cada qual tem o seu álcool. Tenho álcool bastante em existir. Bêbado de me sentir, vagueio e ando certo. Se são horas, recolho ao escritório como qualquer outro. Se são horas, vou até ao rio fitar o rio, como qualquer outro. Sou igual. E por trás de isso, céu meu, constelo-me às escondidas e tenho o infinito.”

Bernardo Soares, in Livro do Desassossego

Nenhum comentário:

Postar um comentário