sábado, 2 de novembro de 2013

Começo a conhecer-me. Não existo.


Começo a conhecer-me. Não existo.
Sou o intervalo entre o que desejo ser e os outros me fizeram,
Ou metade desse intervalo, porque também há vida...
Sou isso, enfim...
Apague a luz, feche a porta e deixe de ter barulho de chinelas no corredor.
Fique eu no quarto só com o grande sossego de mim mesmo.
É um universo barato.

Álvaro de Campos

Um comentário:

  1. Olá Nicole.
    Tens um blogue "apenas" com excelentes poemas e textos.
    Gostei, obrigado pelo convite.
    Beijo.

    ResponderExcluir