terça-feira, 10 de novembro de 2015

CARTA

                                               toshiko-okanoue

1. se v.exa. me permite
eu gostaria de dizer o que penso.

2. em primeiro lugar penso
que v.exa. anda
no sentido oposto ao dos ponteiros do relógio.

3. v.exa. dirá que eu estou afirmando
que v.exa. anda para trás.

4. na verdade, nada me impede de afirmar que
v.exa. anda para trás.
não foi isso porém o que eu disse.

5. com efeito, não sei
se v.exa. anda para trás. segundo penso,
v.exa. anda no sentido oposto ao dos ponteiros
do relógio.

6. seria necessário poder afirmar com toda a
segurança que os ponteiros do relógio
andam para a frente,
para poder afirmar
com igual segurança
que v.exa. anda para trás.

7. mas quem está em condições de
afirmar com toda a segurança
que os ponteiros do relógio andam
para a frente? ninguém está
em condições de afirmar com toda a segurança
que os ponteiros do relógio andam
para a frente, porque, como v.exa. sabe,
os ponteiros do relógio andam à roda.

8. a única coisa que se pode afirmar com toda a
segurança
é que os ponteiros do relógio andam
à roda para um lado e v.exa.
anda à roda para o outro. os ponteiros
do relógio rodam para um lado e v.exa. roda
para o outro. de modo que v.exa. com
o seu movimento anula o movimento
dos ponteiros do relógio e vice-versa.

9. na verdade é como
se v.exa. não andasse e como

se os ponteiros do relógio também não andassem.

Alberto Pimenta

Nenhum comentário:

Postar um comentário