quinta-feira, 29 de outubro de 2015

Cinismo, Criatividade e Esperança

                            Michelangelo, (gravura), 1530
“O fatalismo colectivo é uma crença em massa de que uma mudança significativa é impossível. Os indivíduos outorgam as suas tomadas de decisões, na expectativa de que alguém vá fazê-las em seu nome, com ou sem o seu consentimento. Isso leva a uma infantilização dos cidadãos, que gozam a sua falta de poder e convertem-se em consumidores solitários, (…) para os quais as compras (o consumo) são seu derradeiro e significativo acto de afirmação, sinalizando um novo tédio que, na falta de alternativas, leva-nos ao fascismo.”
“O trabalho contemporâneo é frenético e, no meio dele, raramente se vê os amigos. A tela do computador é a janela pela qual um mundo sempre desperto e em alerta bombardeia os nossos neurónios com e-mails importantes, spams de Viagra, narcisismos, catástrofes contínuas e pornô do it yourself. Essa mudança ontológica no status do ser humano é uma das razões essenciais para o profundo sentimento do mal-estar e depressão que existe nos jovens adultos de hoje. Esse modo de viver não é suficiente, e quando alguém não é mais capaz, ou escolhe não se comportar como simples consumidor, ou interagir com o mundo por meio de logotipos de publicidade ou aplicativos, a raiva e a frustração crescem.”
“A vida está mais difícil, empobrecida, deprimente e monótona. Isto não é inevitável, e certamente não deveria ser aceitável — mesmo que muitos continuem a ceder ao aspecto sombrio da existência quotidiana, por falta de alternativas credíveis.”
“O poder não pode desaparecer, mas ele pode ser neutralizado quando se difunde entre uma massa igualitária de agentes democráticos o reconhecimento da regra do colectivo, não do individualismo. O capitalismo pode ser desfeito. Isso levar-nos-á a uma perturbação da vida social que temos e, inicialmente, a um período de conflitos sociais profundos, mas a história das sociedades humanas demonstra que as culturas não são, em essência, nem “boas” nem “más”, como afirmam muitos dos críticos morais e defensores do capitalismo. O certo é que as pessoas gostam mais de diálogos, da amizade e da generosidade do que do consumo e do trabalho.”
“O optimismo não pode significar a construção colectiva de mentiras convenientes, para tornar as pessoas infelizes mais capazes de enfrentar os seus infortúnios. Ao invés disso, ele articula a criatividade necessária para ir além dos meios hoje existentes e envolver-se num patamar de actividade novo e desconhecido. O optimismo é criativo… O pessimismo é reaccionário… Sua incapacidade de dar conta da natureza violenta do desejo, tanto cultural quanto biológico, o conduz a uma submissão cínica. O neoliberalismo é um sistema poderoso deste tipo.”


J. D. Taylor, Negative Capitalism: Cynicism in the Neoliberal Era

segunda-feira, 26 de outubro de 2015

O culto do Kitsch



                               Andy Warhol

"Porque o Kitsch mutila a Arte. O Kitsch é a cegueira. O Kitsch é a ideia falsificada da Perfeição. É a negação dos aspectos negativos das infraestruturas que servem de suporte a uma sociedade. É a negação da existência da merda”.


Milan Kundera, A Insustentável Leveza do Ser

sexta-feira, 16 de outubro de 2015

Irei pelas ruas até cair morta de cansaço

Irei pelas ruas até cair morta de cansaço
saberei viver sozinha e reter nos olhos
cada rosto que passa e continuar a ser a mesma.
Esta frescura que sobe e me busca as veias
é um despertar que em manhã nenhuma sentira
tão real: sinto-me simplesmente mais forte
que o meu corpo e um arrepio mais frio acompanha a manhã.

Longe vão as manhãs em que tinha vinte anos.
E amanhã, vinte e um: amanhã sairei para a rua,
lembro-me de cada pedra da rua e das nesgas de céu.
A partir de amanhã as pessoas ver-me-ão outra vez
de pé e caminharei direita e poderei parar
e mirar-me nas montras. Nas manhãs do passado,
era jovem e não sabia, nem sabia sequer
que era eu que passava — uma mulher, dona
de si mesma. A rapariguinha magra que fui
despertou dum pranto que durou anos:
agora é como se esse pranto nunca tivesse existido.

E desejo só cores. As cores não choram,
são como um despertar: amanhã as cores
voltarão. Cada mulher sairá para a rua,
cada corpo uma cor — e até as crianças.
Este corpo vestido de vermelho claro
após tanta palidez voltará à vida.
Sentirei à minha volta deslizarem os olhares
e saberei que sou eu: olhando à volta,
ver-me-ei no meio da multidão. Em cada nova manhã,
sairei para a rua em busca das cores.


(Cesare Pavese "Trabalhar Cansa", Cotovia, trad. de Carlos Leite)   

sábado, 3 de outubro de 2015

Mito


Virá o dia em que o jovem deus será um homem, 
sem sofrimento, com o morto sorriso do homem
 
que compreendeu. Também o sol se move longínquo
 
avermelhando as praias. Virá o dia em que o deus
 
já não saberá onde eram as praias de outrora.
 

Acorda-se uma manhã em que o Verão morreu,
 
e nos olhos tumultuam ainda esplendores
 
como ontem e no ouvido os fragores do sol
 
feito sangue. A cor do mundo mudou.
 
A montanha já não toca o céu; as nuvens
 
já não se amontoam como frutos; na água
 
já não transparece um seixo. O corpo dum homem
 
curva-se pensativo onde um deus respirava.
 

O grande sol acabou, e o cheiro da terra
 
e a rua livre, colorida de gente
 
que ignorava a morte. Não se morre de Verão.
 
Se alguém desaparecia, havia o jovem deus
 
que vivia por todos e ignorava a morte.
 
Nele a tristeza era uma sombra de nuvens.
 
O seu passo pasmava a terra.
 

                                        Agora pesa
 
o cansaço sobre todos os membros do homem,
 
sem sofrimento: o calmo cansaço da madrugada
 
que abre um dia de chuva. As praias sombreadas
 
não conhecem o jovem a quem outrora bastava
 
que as olhasse. Nem o mar do ar revive
 
na respiração. Cerram-se os lábios do homem
 
resignados, para sorrir frente à terra.
 

Cesare Pavese, 'Trabalhar Cansa'
 
com a tradução de Carlos Leite
 

Valentin Feldman


Em 1942, jovem filósofo francês Valentin Feldman, integrante da Resistência Francesa, diante de um pelotão de fuzilamento formado por soldados do Governo de Vichy, aliado dos nazistas, gritou para seus algozes, segundos antes de eles dispararem:
- Imbecis, é por vocês que vou morrer!